Ex-funcionário do Domingão do Faustão processa a Globo por dano moral - Novelando
  • Ex-funcionário do Domingão do Faustão processa a Globo por dano moral

    Ex-funcionário do Domingão do Faustão processa a Globo por dano moral



    O produtor Renatinho (Renato Oliveira Cardoso), que foi funcionário do Domingão do Faustão, resolveu processar a Globo. As informações são do site Audiência Carioca. O processo corre no Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, no Rio de Janeiro.

    • David Harbour, astro de Stranger Things assume namoro com Lily Allen

    No pedido de dano moral, que já está tramitando há quatro anos, Renato alegou que o apresentador Fausto Silva o tratava de forma pejorativa ao chamar Renato de ‘galinha’, ‘mulherengo’, e dizendo que ‘se o marido da telespectadora não dava mais no couro, era só chamar o Renatinho’. Segundo ele, isso causou diversas brigas com sua ex-mulher.

    Além de expor o Reclamante ao ridículo em rede nacional e internacional, os comentários do Sr. Fausto Silva iniciaram várias brigas entre o Autor e sua ex-esposa, até o momento em que o ‘Faustão’ declarou ao vivo que o Reclamante foi noivo por oito vezes, o que foi o estopim para o final do casamento do Demandante, sendo certo que a ex-esposa do Reclamante sequer ouviu suas explicações de que tais fatos jamais ocorreram“, diz um trecho processo.

    • Duas passageiras morrem em batida de carro de uber com ônibus no Anel em Belo Horizonte. Veja o vídeo

    O documento do processo, cita ainda que ao tentar argumentar com o apresentador sobre o ocorrido, “solicitando ao mesmo que não veiculasse sua imagem com tais afirmações, ‘Faustão’ informou ao Autor que tal situação não podia mudar, e caso o Reclamante não quisesse mais ser intitulado daquela forma que se afastasse do programa ‘Domingão do Faustão’, bem como da Reclamada”.

    Apesar da solicitação de dano moral, a Justiça não concedeu o pedido. A defesa de Renato entrou com pedido de recurso pelas ofensas, entretanto, sem novo êxito.

    Apesar da solicitação de dano moral, a Justiça não concedeu o pedido. Apenas foram autorizados pagamentos relativos à jornada de trabalho, como horas extras e acúmulo de função. Fausto Silva não figura como réu nestas ações.

    arrow